Acompanhe Seu Cunha no

segunda-feira, 2 de março de 2015

KK de Paula - O Imbecil por trás da Matéria

Desde quando para se valorizar e divulgar um produto (um clássico por exemplo), se busca material sem valor?
Foi exatamente isso que fez o Diário Catarinense quando estampou em sua capa de domingo uma falsa e ridícula comparação entre Marquinhos e um jogador que faz parte, constantemente, das páginas policiais.
Marquinhos um jogador que escreveu e escreve sua história no Avaí com profissionalismo, respeito, dedicação ao Clube, conquistas e vitórias, muitas vitórias. Já o outro, bom, não sei nem mesmo se já ganhou par ou impar nas rodinhas da concentração do time 'doladelá'.
Ora, o Figueirense não precisa disso. O Clássico não precisa disso.
E o cara responsável pela capa e pela matéria precisa ser internado por um tempo e ao receber alta, voltar ao banco da faculdade de jornalismo como exigência do Jornal para que ele volte a exercer suas funções.
Nunca em momento algum na história dos clássicos se forjou ídolos, se insuflou torcedores, via mídia, escolhendo qualquer um para representar as cores dos dois grandes Clubes da Santa Catarina. As torcidas sabem disso. E não precisamos ir longe na memória.
A pouco tempo atrás havia sim, dois jogadores que poderiam e deveriam estampar as manchetes antes dos clássicos: Marquinhos e Fernandes.
Qual a intensão da matéria, do jornalista que a escreveu e de quem permitiu a publicação da mesma? 
O que as torcidas poderiam fazer com essa informação comparativa, falsa, grotesca e sem precedentes, em matéria de comparação, que o jornal publicou no domingo?
Que imbecil escolhe um desclassificado para criar um fato novo e desnecessário no jogo que se sustenta forte por si mesmo, o Clássico?
A escolha e a forja de um falso ídolo foi pra sacanear o único Clássico catarinense e quem a fez é pior, muito pior que o 'escolhido'.
#Significa

Elas (Barbies) apavoram.


domingo, 1 de março de 2015

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Sempre, sempre, mas dessa vez negativamente.

Esse Avaí faz coisa!!!

Frase sempre dita entre onze de dez avaianos, mas sempre pelo lado positivo do clube e time que nas diversidades se supera e surpreende até mesmo os pessimistas..
Agora uma pergunta que não poderia deixar de fazer;  tem alguém nessa direção avaiana que torce contra o Avaí?

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Bom inicio.

Empatar com o JEC na Arena Joinville na primeira rodada não dá pra descartar e muito menos deslumbrar como um ótimo resultado, mas dá pra dizer que foi um bom inicio.
O time avaiano estava perdendo por dois a zero e mostrou poder de reação chegando ao empate, talvez poderia ter melhor sorte se o árbitro medroso tivesse marcado a penalidade clara a nosso favor, mas já estamos acostumados com esses "erros" e erros, não "erros" acontecem também a nosso favor.
Fiquei satisfeito com o que vi do Avaí em campo nessa primeira rodada, foi jogo dos grandes e o Leão mesmo com todos os problemas trouxe um ponto. 

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Descanse em paz Drº Zunino.

Minhas condolências a familiares e amigos, que Deus dê o conforto necessário para esse momento tão difícil a todos.

domingo, 30 de novembro de 2014

Hora dos times de SC lucrarem com as Cotas de TV.

São quatro times catarinenses na elite do campeonato nacional e entre eles o Avaí, o mais glorioso time de Santa Catarina, o mais vezes campeão desse estado..
Por essa razão eu acho chegou a hora de exigirem X das cotas de TV e não cederem, pois nossos clubes estão com a faca e o queijo na mão.
Os quatro presidentes tem que se unirem e com inteligência firmarem um patamar, depois partirem para as negociações com as empresas que transmitem o campeonato e não aceitarem qualquer barganha.
Parem pra pensar, como farão as empresas se os quatros não aceitarem as cotas oferecidas?
 


quarta-feira, 26 de novembro de 2014

A realidade que não querem enxergar.

O Avaí chega a última rodada com chances de ficar em quarto lugar e alcançar o objetivo da série A de 2015,  as chances são remotas é bem verdade, mas elas existem e como dizem os gaúchos, não está morto quem peleia.
O mais provável é a permanência do Avaí na série B e disso 99,9% dos avaianos sabem, mas fica a pergunta; Quem no inicio do ano imaginava outra coisa?
A realidade avaiana no inicio do ano era e continua sendo de reestruturação,  todos sabem que essa "nova" diretoria assumiu o clube com uma divida histórica deixada pelo "dono do clube" e chegar na última rodada da série B com chances é algo a ser comemorado.
Eu sou torcedor do Avaí e não torcedor desse ou daquele dirigente, não considerar que a permanência na série B com todos os problemas herdados está de bom tamanho é querer esconder a realidade e isso podemos deixar para os cupinchas da antiga gestão.
Encerrando, estarei torcendo e quero demais que o Avaí conquiste o acesso, mas saberei aceitar qualquer outro resultado por enxergar a nossa realidade.
Ser avaiano é .... torcer para o Avaí clube e time, já torcedor de dirigente é muito chato.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Presidente, gerente, maestro e ídolo - Blog Avaixonados

Eu, você, todo mundo já percebeu que há uma falta de sincronia reinante no Avaí quando o assunto é comando. Mais do que fruto do acaso, é a consequência natural dos erros de Nilton Macedo e seu staff no recrutamento e seleção dos profissionais lotados no Departamento de Futebol, que por sua vez deixaram a desejar na formação do plantel. Esse tema foi tratado aqui mesmo no blog no post Avaí em modo de continuidade, não deixando muitas dúvidas pairando soltas no ar.
Arte sobre foto de Communit
Que o presidente não entende nada de futebol - já declarou isso abertamente - e que Chico Lins não seja um homem de mercado, não creio haver um só torcedor desconhecedor dessa realidade presente no Sul da Ilha. Se não sabiam, a temporada 2014 trouxe claridade solar para o fato, com o clube tentando se equilibrar entre a gestão do futebol, suas dívidas, os egos inflados e as limitações técnicas do elenco. Não fosse a desapropriação salvadora do Estado nos terrenos da Ressacada e o caos teria se instalado no clube de maneira incontrolável. Dinheirinho santo que veio minimizar tudo o que não foi feito ao longo do ano.
Nesse vácuo de liderança é que mais uma vez apareceu Marquinhos, o camisa 10 que além de ídolo da nação azurra, capitão do time e maestro de uma equipe que se nega a tocar no mesmo tom, agora também tem que fazer o papel de Gerente de Futebol. Se Chico Lins já estava numa situação difícil ao ser largado in solo para administrar a boleirada, o retorno de sua enfermidade só fez complicar as coisas, visto que precisou ser  menos presente no clube a fim de lutar pela própria vida.
Mas em meio a tudo isso, Chico ainda foi honesto o suficiente para falar que alguns jogadores não estavam comprometidos com o clube. Declaração que foi negada por Geninho, o que acabou criando um mal estar interno e que precisou ser tratado na base de muita conversa. Embora a situação institucional estivesse normalizada, o mesmo não se podia dizer em relação ao time, nitidamente jogando abaixo de suas possibilidades e revoltando o torcedor em geral.
Bocudo que é, mas também sabedor de suas responsabilidades, após a derrota para o América/MG, Marquinhos acusou que dois ou três estavam, digamos assim, não tão motivados quando o restante dos atletas. Geninho novamente negou mas afastou esses, segundo ele, por razões técnicas. Incoerentemente, não para o banco de reservas, mas para fora do grupo dos relacionados para as partidas. Noves fora, nas vagas ociosas deixadas por Nilton Macedo, Chico Lins e Geninho, Marquinhos vem tendo que desdobrar para não deixar a peteca de toda temporada cair no ralo.